• Wagner Rocco

Digital Game Based Learning



Após aprendermos mais sobre o Game Based Learning, vamos avançar um pouco e falar sobre o que seria o próximo passo desse conceito.


O Digital Game Based Learning (Aprendizagem baseada em jogos digitais) refere-se exclusivamente aos jogos de computador utilizados para atingir-se objetivos de aprendizagem. O DGBL apoia-se em inteiramente em tecnologias digitais para sua existência.


Em sua tese de doutorado intitulada 'Uma Abordagem para Transparência Pedagógica usando Aprendizagem Baseada em Jogos', Elizabeth Suescún nos dá uma definição mais precisa: “É uma abordagem de aprendizagem inovadora derivada do uso de jogos de computador que possui valor educacional ou diferentes tipos de aplicações de software que usam jogos computacionais para ensino e educação, GBL’s tem como finalidade o apoio à aprendizagem, a avaliação e análise de alunos e melhoria do ensino”.


Marc Prensky (professor, escritor, palestrante e game designer norte americano) realizou uma experiência na qual observou duas crianças em idades diferentes durante as férias, que ganharam acesso irrestrito a um computador para jogar. Elas eram as primeiras a acordar, as últimas a dormir e eram literalmente forçadas a sair pelos pais. Os jogos, no entanto, eram baseados em lógica, história e outros assuntos educativos. Ele, então, entendeu que o poder imenso dos jogos virtuais era semelhante ao da TV. No entanto, são ainda mais poderosos, pois são interativos e pessoais.


Existem três personagens nesse cenário: o vendedor do jogo quer que você compre o jogo, e fará de tudo para vender bons jogos e realizar boa propaganda; o desenvolvedor do jogo deseja que você goste do jogo que ele criou pois, caso contrário, ele não fará sucesso; e o jogador é quem decide o que, quando e se vai jogar – é o personagem principal nesta história. A estes três atores, Prensky associa, respectivamente: a empresa criadora de DGBLs, o professor e o aluno.


Os DGBLs funcionam porque propiciam dois tipos de sensação ao aluno: relaxamento e motivação. Relaxando, o aluno é capaz de aceitar mais facilmente o conteúdo que lhe é inserido, derrubando barreiras de preconceito ou experiências anteriores frustrantes; motivado, é capaz de seguir adiante no estudo mesmo que o preço a se pagar (no caso, o desgaste cerebral e a dificuldade natural de determinados assuntos e matérias) seja alto.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo